Brasileiro é detido na Indonésia acusado de traficar cocaína

Foram detidos na Indonésia um brasileiro, um britânico e um mexicano suspeitos de distribuir cocaína em localidades no país. Eles não tiveram a identidade revelada. A informação é do chefe da Agência Nacional de Narcóticos de Bali, Gde Sugianyar Dwi Putra, que anunciou a prisão nessa sexta-feira (5/8). O trio foi preso em julho, com 844,6 gramas de cocaína e outras drogas, como maconha e MDMA. A apreensão foi feita pela Agência Nacional de Entorpecentes da Indonésia. O Itamaraty informou que desconhece o caso. O brasileiro seria fabricante das drogas, voltadas para abastecer rede internacional de tráfico, e o britânico é considerado suspeito de distribuir os produtos na ilha de Bali. O mexicano, que está na Indonésia desde 2012, é apontado como chefe da organização. A cocaína, segundo a agência, era levada para as aldeias Canggu, Seminyak e Badung Regency. A Indonésia é conhecida pela rigidez das leis anti-drogas. O trio pode ser condenado a uma pena entre cinco anos de prisão e, no extremo, até à pena máxima de morte. Dois brasileiros condenados por participar de esquemas de tráfico de drogas foram executados pela polícia na Indonésia em 2015. As execuções relacionados a crimes de tráfico voltaram a ser feitas no país em 2013.

Brasileiro é detido na Indonésia acusado de traficar cocaína
Foram detidos na Indonésia um brasileiro, um britânico e um mexicano suspeitos de distribuir cocaína em localidades no país. Eles não tiveram a identidade revelada. A informação é do chefe da Agência Nacional de Narcóticos de Bali, Gde Sugianyar Dwi Putra, que anunciou a prisão nessa sexta-feira (5/8).

O trio foi preso em julho, com 844,6 gramas de cocaína e outras drogas, como maconha e MDMA. A apreensão foi feita pela Agência Nacional de Entorpecentes da Indonésia. O Itamaraty informou que desconhece o caso.

O brasileiro seria fabricante das drogas, voltadas para abastecer rede internacional de tráfico, e o britânico é considerado suspeito de distribuir os produtos na ilha de Bali. O mexicano, que está na Indonésia desde 2012, é apontado como chefe da organização. A cocaína, segundo a agência, era levada para as aldeias Canggu, Seminyak e Badung Regency.

A Indonésia é conhecida pela rigidez das leis anti-drogas. O trio pode ser condenado a uma pena entre cinco anos de prisão e, no extremo, até à pena máxima de morte.

Dois brasileiros condenados por participar de esquemas de tráfico de drogas foram executados pela polícia na Indonésia em 2015. As execuções relacionados a crimes de tráfico voltaram a ser feitas no país em 2013.